O Ministério do Espírito

Artigo exibido: 3891 vezes

A Igreja é atacada por três correntes poderosas que operam traiçoeiramente para desvia-la do seu curso. O materialismo, que nega ou ignora o sobrenatural e se concentra sobre o melhoramento das condições exteriores da vida humana; o criticismo, que é engenhoso em análise e dissecação, porém incapaz de construir um fundamento no qual a fé possa se basear e descansar; e o gosto literário refinado, que se desenvolveu recentemente e que se dispõe a avaliar o poder pela força das palavras.

Para tudo isso só existe uma resposta, que não é um sistema, um credo ou uma igreja, mas o Cristo vivo, que foi morto mas vive para sempre, e tem as chaves para destrancar todas as perplexidades, problemas e carências. Embora a sociedade possa ser reconstituída e as necessidades materiais regularmente supridas, o descontentamento poderá surgir novamente de alguma outra forma, a menos que o coração esteja satisfeito com o Seu amor. A verdade que Ele revela para a alma e que está centrada nEle Mesmo por si só capaz de satisfazer o apetite consumidor da mente.

Jesus Cristo, o Filho de Deus eternamente vivo, é a suprema resposta para a inquietação e labuta de nossos dias. Mas Ele não pode, e não vai revelar a Si Mesmo. Cada pessoa na Santa Trindade revela uma outra. O Filho revela o Pai, mas a Sua própria revelação aguarda o testemunho do Espírito Santo, o qual, ainda que muitas vezes dado diretamente, é amplamente dado através da igreja. O que precisamos, e o que o mundo aguarda, é o Filho de Deus, testemunhado e revelado em toda a Sua radiante beleza pelo ministério do Espírito Santo, que Ele energiza com e através dos santos que compõem a igreja.

Em alguns lugares parece se supor que o Espírito Santo é a solução para as perplexidades do nosso tempo. Hoje não sabemos o que podemos testemunhar em alguma era vindoura, mas nesta é claro que Deus na pessoa de Cristo é a única resposta divina. Eis aqui o ‘sim e amém’ de Deus, o Alfa e o Omega, a luz para o cego, a cura para o paralítico, a limpeza para o poluído, a vida para o morto, o evangelho para o pobre, triste e desconsolado.

Presentemente desejamos a concessão graciosa do Espírito que pode tomar mais profundamente das coisas de Cristo e revela-las a nós. Quando os discípulos pediram para conhecer o Pai, o Senhor disse, ‘Aquele que viu a Mim viu o Pai. É a Sua glória que brilha em Minha face, Sua vontade que molda Minha vida, Seu propósito que é cumprido em Meu ministério’. Então o abençoado Paracleto poderá voltar nosso pensamento e atenção de Si Mesmo para Aquele, com quem Ele é Um na Santa Trindade, o qual Ele veio revelar.

Através dos chamados séculos Cristãos, a voz do Espírito Santo tem levantado testemunhas para o Senhor. Diretamente, em cada estímulo difundido da consciência humana, em cada avivamento, em cada era de avanço no conhecimento da verdade divina, em cada alma que tem sido regenerada, consolada ou ensinada. Indiretamente, Sua obra tem sido conduzida pela igreja, o corpo daqueles que crêem. Mas, infelizmente, quão tristemente Seu testemunho tem sido enfraquecido e estorvado pelo instrumento através do qual ele deve vir. Ele não tem sido capaz de fazer muitas obras poderosas por causa da incredulidade, que mantém fechada e trancada as avenidas pelas quais Ele teria fluido Seu agradável testemunho ao mundo espiritual, do Senhor glorificado.

As divisões da igreja, sua discussão sobre assuntos de relativa insignificância, sua valorização de pontos de diferença, seu materialismo, seu amor por si mesma, por posição e poder, seu julgamento de que é rica, cheia de bens e de nada tendo falta, quando era pobre e miserável e cega e nua. Estas coisas não apenas a privaram do seu testemunho, mas ofenderam e extinguiram o Espírito Santo, e anularam o Seu testemunho.

Extraído da Revista O Vencedor
Extraído da Introdução do Dr. Meyer no livro do Dr. A.J.Gordon, “O Ministério do Espírito” (The Ministry Of The Spirit).

PSD250411