Tagarelice

Artigo exibido: 3505 vezes

“Exortamo-vos, porém, irmãos... que procureis viver quietos” (I Ts 4.11)

A tagarelice destrói totalmente a profunda espiritualidade. A própria vida do nosso espírito vaza em nosso falar e, por isso, toda conversa supérflua é um desperdício das forças vitais do coração. No cultivo de frutas acontece um fato freqüentemente: a florescência excessiva impede uma boa colheita e o fruto também. Através da eloqüência exagerada, a alma leva uma vida sem controle na florescência das palavras e não dá fruto. Não estou falando de pecadores, nem de um legitimo testemunho por Jesus, mas de uma eloqüência excessiva de certas pessoas nominalmente espirituais, dos professores da graça purificadora.

Esse é um dos maiores empecilhos para uma sólida união com Deus. Observe como as pessoas dizem as mesmas coisas uma e outra vez. Quantas bagatelas insignificantes são ampliadas por um mundo de palavras; coisas que deveriam ser sepultadas são desenterradas através das fofocas; algo que é sem valor e não essencial discutido e argumentado; coisas solenes e profundas do Espírito são mencionadas de forma fútil e superficial, até que alguém que possui o verdadeiro batismo do silêncio divino em seu coração, sente que deve retirar-se sem cerimônia, para um lugar solitário ou para uma floresta, onde poderá juntar os fragmentos e descansar em Deus.

Não precisamos somente de purificação do pecado, mas de uma morte radical para o barulho, a atividade e a eloqüência natural do nosso espírito natural.


Conseqüências do Nosso Muito Falar

Perda do poder espiritual: O pensamento e o sentimento da alma são como a pólvora e o vapor: quando mais condensados, maior o seu poder. O vapor devidamente condensado, moverá um trem a noventa quilômetros por hora; mas, se lhe for dada muita expansão, não conseguirá movê-lo nem cinco centímetros. Assim acontece com a verdadeira ação do coração: se for expressada em poucas palavras selecionadas pelo Espírito Santo, ela penetrará na mente e ficará para sempre. Mas se for, dissipada em qualquer conversação fútil, provavelmente não terá qualquer proveito.

Perda de Tempo: Se as horas gastas com conversar inúteis fossem utilizadas para oração secreta ou leitura profunda, logo alcançaríamos um nível espiritual e paz divina, além dos nosso sonhos atuais.

A tagarelice conduz às declarações tolas, desagradáveis ou vazias. Nas chamadas conversas “espirituais” logo batemos todo o creme que temos em nossas almas e o resto da conversa é apenas um leite desnatado e sem cor. O creme só volta quando ficamos a sós com Deus e nos alimentamos dos Seus pastos verdes.

O Espírito Santo nos adverte: “na multidão de palavras não falta transgressão” (Pv 10.19). É impossível até mesmo para o melhor dos santos, falar além de um certo ponto sem dizer algo desagradável, duro, tolo ou errado.

Acerte Primeiro a Sua Situação
Precisamos acertar isso pessoalmente. Se os outros são barulhentos e tagarelas, eu devo determinar viver em constante quietude e humildade de coração. Devo guardar meu falar, como um guarda vigia uma fortaleza e, com todo o respeito pelos outros, interromper uma conversação ou me retirar do grupo e entrar em profunda comunhão com o meu precioso Senhor.

A Cura da Tagarelice
Algumas vezes pode ser através de uma fornalha interior de sofrimento que queima toda a efervescência excessiva da mente, ou por uma revelação para a alma da tremenda majestade e eternidade de Deus, a qual lança sobre as faculdades naturais em eterno silêncio.

Se desejamos andar no Espírito, precisamos evitar falar por amor ao falar, ou falar simplesmente para distrair. Se queremos falar com eficácia, devemos falar no tempo designado por Deus e em harmonia com o Espírito Santo que em nós habita.

 “Refreie as suas palavras aquele que possui o conhecimento; e o homem de entendimento é o de espírito sereno” (Pv 17.27)

“Não te precipites com a tua boca, nem o teu coração se apresse a pronunciar palavra diante de Deus; porque Deus está no céus e tu estás sobre a terra; portanto, que sejam poucas as tuas palavras.
Porque na multidão de trabalhos vêm os sonhos e da multidão das palavras a voz do tolo.” (Ec 5:2-3)

Texto selecionado por Delcio Meireles


Saiba mais...
O espírito sem Crítica
Palavras Vãs
Tagarelice