Sete Evidências do Novo Nascimento

Artigo exibido: 4837 vezes

“Em verdade em verdade te digo que se alguém não nascer de novo não pode ver o reino de Deus”. (Jo 3:3)

As palavras acima foram pronunciadas pelo Senhor Jesus a um homem chamado Nicodemos. Ele era um mestre em Israel, mas mesmo assim Jesus disse que ele precisava nascer de novo. Ele não sabia o que era esse novo nascimento e o Senhor Jesus lhe explicou que era um nascimento “de cima” (traduzido como “de novo”). João registrou em outro lugar: “Mas a todos quantos O receberam, aos que crêem no Seu nome, deu lhes o poder de se tornarem filhos de Deus; os quais não nasceram do sangue e nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus”. (Jo 1:12-13) O apóstolo do Senhor diz que só precisamos receber a Jesus para experimentarmos o novo nascimento. Todavia, isso é algo que acontece apenas no interior da pessoa; é algo que não pode ser comprovado pelo ver, pelo tocar ou pelo sentir. Deus em Sua sabedoria, levantou o mesmo apóstolo João para escrever a Primeira Carta. Sob a inspiração do Espírito de Deus, ele menciona sete evidências do novo nascimento. Isto é, todo aquele que declara ter nascido de novo, que experimentou uma mudança no seu espírito, deve manifestar as evidências estabelecidas pelo apóstolo.

I) Prática da Justiça
“Se sabeis que Ele (Jesus) é Justo, sabeis que todo aquele que pratica a justiça é nascido de dEle”. (I Jo 2:29)
A primeira evidência que uma pessoa dá de que realmente nasceu de novo é a prática da justiça. O que é a justiça? Justiça é o oposto do pecado. A palavra seria melhor traduzida por retidão. Deus é um Deus de retidão; Ele faz tudo certo. O cristão deve também praticar a justiça em todos os seus aspectos. Não significa que o filho de Deus não peca mais, pois o próprio João disse que “se não cometemos pecado, fazemo-Lo mentiroso e a sua verdade não está em nós” (1:8), e que “se pecarmos, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o Justo” . (2:1) O ensino aqui é o seguinte: os outros precisam comprovar que nossa vida é uma prática constante de justiça, ainda que possamos uma e outra vez cair em pecado.

II) Não Peca Habitualmente
“Aquele que é nascido de Deus não peca habitualmente; porque a semente de Deus permanece nele, e não pode pecar, porque é nascido de Deus” . (I Jo 3:9)
Aqui João enfatiza outro aspecto daquele que nasceu de novo: ele não pode pecar. Mas isso parece contradizer o que falamos no primeiro ponto. (I Jo 1:8,10; 2:1) Aqui precisamos ler com atenção e na dependência do Espírito Santo: João diz que o novo homem que nasceu de Deus não pode pecar. Por que? Porque a semente de Deus (incorruptível) habita nele. João não está falando do velho e sim do novo homem. Infelizmente muitos filhos de Deus pensam que na conversão o velho homem é transformado em novo homem. De modo algum! Basta ler Gálatas para comprovarmos isto: “A carne luta contra o Espírito e o Espírito contra a carne”. (5:17) Dentro daquele que nasceu de novo existe duas naturezas: a velha (a carne) e a nova (o espírito). A luta acontece no interior do salvo. Graças a Deus dentro de nós existe um novo homem, uma nova vida, um novo Eu, que pode dizer ao velho homem, à velha vida e ao velho Eu: não permito que você me leve a pecar; eu rejeito qualquer manifestação da velha criação que vocês queiram projetar em minha vida, mas lembremos que Deus já crucificou o nosso velho homem (Rm 6:6) a fim de não servirmos mais o pecado como escravos.

III) Pratica o Amor
“Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor é de Deus; e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor”. (I Jo 4:7-8).
Outra evidência do novo nascimento é a capacidade de amar. O amor mencionado por João é o amor de Deus derramado em seu coração através do Espírito Santo que nos foi dado (Rm 5:5). A fé e a esperança passarão, mas o amor vai permanecer para sempre. Deus não é fé e Deus não é esperança, mas Deus é amor! João diz que devemos amar os irmãos e aquele que não ama não conhece a Deus. No Evangelho, João disse que quando cremos nós passamos “da morte para a vida”. (5:24); mas nessa carta ele nos dá uma prova prática: “Nós sabemos que passamos da morte para a vida porque amamos os irmãos. Quem não ama permanece na morte”. (3:14). O amor de Deus, ágape, é o amor sacrifical, que dá sem esperar nada de volta, que ama mesmo que não seja movido pela emoção. Ama porque precisa amar, porque deseja e tem poder para isso. Tal amor não se limita apenas aos salvos, mas é oferecido a todos. A amor ágape não escolhe quem deve ser amado!

IV) Crê que Jesus é o Cristo
“Todo aquele que crê que Jesus é o Cristo é nascido de Deus”. (I Jo 5:1a)
Outra evidência do novo nascimento é esta: o nascido de novo crê que Jesus é o Cristo, ou, o Ungido. O que significa isso? Jesus só foi ungido Como Cristo depois de Sua morte, ressurreição e ascensão. Lucas, diz que “esse mesmo Jesus, a quem vós crucificaste, Deus o fez Senhor e Cristo”. (At 2:36) Confessar que Jesus é o Ungido (Cristo) de Deus é confessar que cremos que Ele morreu na Cruz, ressuscitou e subiu ao céu e Se assentou à direita do Pai. Em outras palavras, é crer que Jesus é o Filho Unigênito de Deus, que foi por Ele enviado a este mundo para realizar a obra da redenção, e que depois de a ter realizado subiu ao céu e um dia voltará para julgar o mundo.

V) Ama os Irmãos em Cristo
“E todo aquele que ama ao que o gerou, ama também ao que dEle é nascido”. (I Jo 5:1b)
A segunda parte desse versículo não é muito clara, pode ser interpretada de duas formas: “ao que dEle é nascido” pode ser o Senhor Jesus ou nossos irmãos em Cristo. No ponto anterior (IV) João diz que alguém é “nascido de Deus”. Então quem nos gerou é Deus e, se realmente nascemos de Deus, devemos amar o que dEle é nascido. O Senhor foi gerado pelo Pai (não criado) e todo aquele que crê também é gerado de novo pelo Pai. Se a referência é ao Senhor Jesus, então a evidência é o amor sacrificial que devemos manifestar por cada filho de Deus. Será que amamos o Senhor e os irmãos?

VI) Vence o Mundo
“Porque todo aquele que é nascido de Deus vence e o mundo, e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé”. (I Jo 5:4)
Outra evidência do novo nascimento é a vitória sobre o mundo. O que é o mundo? É o sistema organizado de Satanás. O mundo jaz no maligno e por isso não devemos amar o mundo e as coisas que no mundo existem. (I Jo 5:19; 2:15) Só podemos vencê-Lo através da fé; a fé só pode ser adquirida através do novo nascimento. O amor do mundo é inimizade contra Deus; O mundo não deve nos comprimir nos seus moldes. (Tg 4:4; Rm 12:1) Se nascemos de novo, somos novas criaturas, estamos assentados nos lugares celestiais juntamente com Cristo e não somos deste mundo. (II Co 5:17; Ef 2:6; Jo 17:16)

VII) O Maligno não lhe Toca
“Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive pecando; antes aquele que nasceu de Deus guarda-se a si mesmo, e o maligno não lhe toca”. (I Jo 5: 18)
Está é a última evidência do novo nascimento. Já vimos o que significa “não vive pecando”. Mas o que vem a ser “o maligno não lhe toca?” Pedro não foi tocado pelo Diabo? Ananias e Safira também? O moço que pecou com a madrasta? (I Co 5) Então eles não eram nascidos de novo? De modo nenhum! Eles eram salvos realmente. O que João parece estar dizendo é que todo aquele que nasceu de Deus, nasceu de cima, pode pecar algumas vezes, mas não habitualmente e que o maligno nunca poderá levá-lo a cometer algum tipo de pecado que não possa ser perdoado por Deus. Graças a Deus pela grande salvação que recebemos!

Autor: Delcio Meireles


Saiba mais...
A Escolha que Confrontou Adão
A Queda do Homem
Evangelho - A Boa Nova
Há um Deus?
Justificação
Não Estou Salvo!
Nascer de Novo
O Caminho que Funciona
O Evangelho: Crer e Obedecer
O Homem Certo Ao Nosso Lado
O Medo de Crer
Sete Evidências do Novo Nascimento
Um Deus Justo e Salvador
Você é da Família de Adão ou da Família de Cristo?