O Primeiro Amor e Os Vencedores

Artigo exibido: 3697 vezes

Abandono do Primeiro Amor - Ap 2:4
O ensino, o trabalho, a perseverança e o zelo da igreja em Éfeso eram inculpáveis, mas o seu amor esfriava e o resultado era produzir apenas sons como 'o metal que soa ou como o címbalo que retine' (I Co 13.1). O termo 'primeiro' em grego é 'proten' e não se refere apenas à primazia na questão de tempo, mas principalmente de natureza. A palavra 'melhor' usada para o vestido do Pródigo em Lucas 15 também é 'proten'. Não era o 'primeiro' vestido, mas o 'melhor' vestido. O mesmo acontece com a obrigação do cristão em buscar o reino de Deus em 'primeiro' lugar (Mt 6.33). Não se trata apenas de colocar as coisas de Deus em primeiro lugar no sentido de realizar coisas, porque isso a igreja em Éfeso fez. Um filho de Deus pode dedicar sua vida na realização de obras para o Senhor e mesmo assim cometer o erro da igreja em Éfeso. Nosso Senhor busca não apenas quantidade, mas principalmente qualidade. Os filhos de Aarão, Nadabe e Abiú, queimaram incenso ao Senhor, mas eles mesmos foram queimados (Lv 10.1,2). O que aconteceu? Eles usaram 'fogo estranho' que o Senhor não havia pedido. Nas palavras do profeta Samuel 'o obedecer é melhor do que o sacrificar, e o atender do que a gordura de carneiros. Porque a rebelião é como o pecado de adivinhação e a obstinação é como a iniqüidade da idolatria' (I Sm 15.22,23).

Só poderemos conservar o primeiro amor através da operação do Espírito Santo em nós; se cooperarmos com Ele e obedecermos a Sua direção, o fogo do Calvário arderá continuamente em nossas vidas e o Senhor será entronizado primeiro na nossa vida individual e coletivamente na Igreja.

Promessa ao Vencedor - Ap 2.7
'Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao vencedor dar-lhe-ei a comer da Árvore da Vida, que está no Paraíso de Deus' (2.7).

a. Quem São os Vencedores? - Ap 2.7a
Um servo do servo, a quem dedico o meu maior respeito e admiração, escreveu o seguinte sobre os vencedores; 'O simples significado desse termo é \'conquistar\', \'ganhar a vitória\', seja num processo (Rm 3.4), na guerra (Ap 6.2), em batalhas morais (Rm 12.21) ou no conflito espiritual (I Jo 2.13, 14). O substantivo é sempre traduzido por vitória; em Romanos 3.4 é traduzido por \'prevalecer\', em Apocalipse 6.2 por \'conquistar e conquista\', \'vitorioso\' em 15.2; nos outros lugares é sempre \'vencer\'. O conceito não muda: uma disputa que termina na vitória. O sentido da palavra era tão fixo que nos tempos primitivos ela veio a ser o nome próprio da deusa da Vitória (Nike), a quem os generais sacrificavam depois de uma campanha vitoriosa'.

'O conceito é parte da tremenda realidade daquele longo conflito entre Deus e Satanás, no qual todos os seres inteligentes tomam parte, de um lado ou de outro, e onde as coisas materiais são empregadas por uma parte ou outra. Esse último fato inclui a realidade de que os membros do corpo do homem são \'armas\' usados para promover a vitória da justiça ou do pecado (Rm 6.13). Por isso elas devem ser subjugadas pelo guerreiro cristão, a fim de que ele não seja vencido na guerra (I Co 9.24-27)'.

'Mas nem todos os crentes são vencedores. Isso envolve a falsa posição de que nenhum crente pode se tornar um apóstata. Ela se esquiva e anula as solenes advertências e apelos urgentes do Espírito endereçados aos crentes e, privando o crente desses avisos, os deixam perigosamente expostos aos perigos que revelam. Na casa do Sumo Sacerdote Pedro foi vencido pelo temor do homem. Ele foi o último? Ananias e Safira foram vencidos pelo amor ao dinheiro e orgulho da reputação. Foram eles os últimos? Demas abandonou Paulo sendo vencido pelo amor a essa era presente. Foi ele o último? Na igreja em Corinto alguns foram vencidos pelas cobiças carnais. Foram eles os últimos? Pedro entrou de novo na batalha e lutou até o fim. Ananias e sua esposa foram cortados em sua falha e alguns dos crentes em Corinto também. Não sabemos se Demas foi restaurado no final'.

'Se todos os cristãos são vencedores, como será possível no fim dessa era que 'o amor de muitos (da maioria) esfriará' (Mt 24.12)? Os vencedores irão receber coroas, mas se todos vencem como podem ser avisados da possibilidade de perder sua coroa' (Ap 3.11)?

'Observe ainda mais que as Sete Cartas são endereçadas a cada igreja como um todo, através da mediação do anjo de cada uma delas. Mas depois existe outro aspecto; quer dizer, os membros de cada igreja são endereçados individualmente: \'alguns de vós serão lançados na prisão e tereis tribulação\' (2.1 O); \'guerrearei contra eles\' (2.16 ); \'e darei a cada um de vós segundo as suas obras\' (2.23); \'tantos quanto eu amo, eu repreendo e disciplino\' (3.19)'.

'Em contraste com esse aspecto corporativo e a essas declarações gerais, o apelo para estar atento é claramente pessoal: \'aquele que tem ouvidos, ouça\'. As promessas aos vencedores também são feitas na mesma forma pessoal: \'Aquele que vencer eu darei\'. '

'O Vencedor é, portanto, separado do grupo inteiro que forma a igreja. Isso é muito claro na igreja em Sardes: \'Mas tens uns poucos nomes em Sardes que não macularam suas vestes; e estes andarão comigo de branco, pois são dignos. O que vencer será assim (como minha recompensa de que ele de fato andou de branco na terra) vestido de branco\'.'

'O contraste segue a forma da declaração do Senhor em Mateus: \'o amor de muitos esfriará, mas aquele que perseverar até o fim, este será salvo\' (24.12). Assim também disse Paulo: \'Estas coisas lhes aconteceram tipicamente, e foram escritas para nosso aviso; assim, aquele que pensa estar de pé, preste atenção para não cair\' (I Co 10.11,12). Ora, aquele que cai diante do inimigo não está vencendo. É seguro aceitar humildemente a exortação e perigoso descartar a advertência' (G. H. Lang).

b) A Árvore da Vida - Ap 2.7b
No jardim do Éden havia três tipos de árvores: a Árvore da Vida, alimento para o espírito; a Árvore da Ciência do Bem e do Mal, alimento para a alma; e as demais árvores do jardim, alimento para o corpo. Adão e Eva tinham permissão para comer do fruto da Árvore da Vida e das demais árvores, mas não da Árvore da Ciência do Bem e do Mal. Isso quer dizer, que 'a intenção original de Deus para o homem é que ele comesse o fruto da Árvore da Vida. Agora Deus diz que podemos ir diretamente a \'Ele e agir de acordo com Sua intenção original. A questão não é o que é a Árvore da Vida e sim se você esta disposto a seguir a intenção inicial de Deus (que é) comer o fruto da Árvore da Vida no jardim de Deus. Apenas os Vencedores podem comer. Todo aquele que retorna à intenção e exigência original de Deus é um Vencedor' (W. Nee, Ortodoxia da Igreja, pg 21,22). Quando chegamos ao penúltimo capítulo do Apocalipse encontramos um grupo de pessoas, chamadas de 'nações e reis da terra' (21.24,26), e as 'folhas da árvore' da Vida é para a saúde deles (Ap 22.2). Ora, está claro que esses não fazem parte dos Vencedores mencionados no capítulo 2.7. Quem são eles? No segundo volume do nosso estudo abordaremos esse ponto detalhadamente.

c) A Chamada aos Vencedores - Ap 2.7
As palavras 'quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao vencedor' (2.7) são muito importantes para o aspecto profético que estamos examinando. Vimos como as Sete Igrejas são divididas em três e quatro; nas três primeiras (Éfeso, Esmirna e Pérgamo - 2.7, 11,17) a chamada para ouvir o que o Espírito diz às igrejas vem primeiro e em seguida a promessa ao Vencedor. A ordem é invertida a partir da quarta igreja e continua até a última: Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia (2.26,29; 3.5,6; 3.11,13: 3.21,22). Visto que as igrejas representam sete períodos distintos da sua história, temos uma indicação de que até o ano 600 d.C. havia uma possibilidade de toda a igreja ouvir a chamada do Espírito, mas depois disso não.

Demos anteriormente as datas referentes ao período que cada igreja representa e vimos que Éfeso termina no primeiro século, Esmirna avança até o final do terceiro século e Pérgamo chega ao ano 600 (datas aproximadas). Porque a ordem foi invertida com o surgimento de Tiatira? Sua representação profética é a Igreja Católica Romana. Esse foi o período mais longo da história da igreja cobrindo aproximadamente mil anos (600-1517). Foi nessa ocasião que o Senhor levantou Lutero. Isso quer dizer que durante o período das três primeiras igrejas, era possível que toda a igreja ouvisse o que o Espírito dizia às igrejas, mas a partir do surgimento da igreja Católica essa possibilidade desapareceu. O Senhor sabia que o desvio estabelecido naquele tempo seria de proporções extremamente desastrosas. Diante disso podemos compreender porque a chamada aos Vencedores passou a vir primeiro e só depois o convite para ouvir o que o Espírito diz às igrejas. Infelizmente nem todos os cristãos estarão dispostos a retornar ao propósito original de Deus.

Para o Senhor Jesus ser entronizado na igreja não é suficiente termos obras, trabalho e firmeza; elas devem ser impulsionadas pela fé, amor e esperança. Disciplina e correção precisam ser aplicadas quando a conduta não é digna, e o discernimento é necessário para identificar os falsos apóstolos e obreiros. A disposição para sofrer pelo nome do Senhor sem desanimar é fundamental. O primeiro amor, ou, melhor amor, deve ser conservado através do fogo do Calvário que arde nos nossos corações. Quando houver consciência de queda é preciso identificar onde ela se deu e voltar a praticar as primeiras obras. Se isso não acontecer podemos perder o direito de testemunhar pelo Senhor, conforme nos mostra a remoção do Candeeiro de Ouro. As obras dos Nicolaítas devem ser odiadas, ou seja, a separação dos filhos de Deus em clérigos e leigos deve ser rejeitada. E finalmente uma atenção contínua para ouvir o que o Espírito diz às igrejas. Assim nosso Senhor será entronizado na Igreja.

Autor: Delcio Meireles – www.delciomeireles.com
Extraído do livro – Apocalipse – Cristo Entronizado. Volume 1