Tudo Entregarei?

Artigo exibido: 3515 vezes

Um dos clássicos da hinologia protestante é um hino que fala de total consagração a Deus, chamado: “Tudo deixarei”. O seu autor é Judson Van de Venter (1855-1939). A letra foi escrita no exato memento em que o autor decidiu entregar totalmente sua vida a serviço de Cristo. Ele renunciou a uma carreira de professor universitário numa cidade da Pensilvânia, EUA.  Nos meses anteriores a esta decisão, ele passou por uma tremenda luta pessoal, quando as dúvidas e os desejos naturais os pressionavam a não abrir mão de sua vitoriosa carreira.  A partir de então, decidiu ocupar-se apenas com o desafio de pregar o evangelho.

Peço a você que leia as palavras do hino abaixo. Se conhecer a melodia, cante-a neste momento como uma oração que você faz a Deus:

 Tudo a ti Jesus consagro;
Tudo, tudo deixarei...
Tudo deixarei,
Tudo entregarei,
Sim, a ti Jesus bondoso
Sempre seguirei

O que você acabou de cantar é a mais bela e a mais desejada oração que Jesus quer ouvir de seus lábios (desde, é claro, que ela expresse o mais puro desejo de seu coração).

Infelizmente, hoje vivemos uma fé em que ninguém quer “deixar” nada, nem “entregar” nada. Ao contrário, a linguagem que predomina nos lábios dos crentes é exatamente oposta:

“Eu quero de volta”....
“Tenho direitos, sou filho do Rei”....
“Nasci pra ser cabeça e não cauda”....
“Não se contente com pouco meu irmão”....
“Recebaaaaa”....

O que muito cristão não compreende é que nesta existência podemos até receber muitas e muitas coisas do céu, e mesmo assim ter uma existência miserável.  Quando o povo hebreu vagava pelo deserto e chorava de saudades pelas carnes, pepinos e melões do Egito, Deus atendeu às suas murmurações, atendendo-lhes ao desejo de seus corações.  Mas o que aconteceu em seguida?

“Concedeu-lhes o que pediram, mas fez definhar-lhes a alma” (Salmo 106.15)

O mais importante na vida do cristão não é receber... nem ter... nem obter... nem aumentar... Aliás, o Salmo 73 – que trata da questão da prosperidade dos maus –  nos sugere que essas coisas talvez ocorram mais na vida do ímpio que do crente. A questão chave para o cristão não é ganhar, mas renunciar... entregar... abrir mão....  Obviamente Deus não está interessado em nenhum “sacrificiozinho” de nossa parte: Ele não aceita menos que tudo!

E por que este pedido tão radical? No fundo, Deus quer saber de nós:  És capaz de entregar tudo e caminhar de mãos vazias? Abraão, és capaz de caminhar sem o teu Isaac? Jovem rico, és capaz de caminhar sem a sua fortuna?

Eu diria que está faltando nos dias de hoje a compreensão de que Deus espera de nós a totalidade de nossa vida, quer o melhor de nosso tempo, o melhor de nossa capacidade...  Mas não apenas isto: ofereça-Lhe também o seu cansaço, a sua limitação, suas dúvidas, suas fragilidades... Deus se agrada disso, e Ele sabe o que fazer com isso.

Lembre-se: um menino alimentou uma multidão faminta de cinco mil homens porque decidiu entregar tudo aquilo que ele tinha: cinco pães e dois peixinhos. Entregue pra Deus tudo o que você tem e é. Ele sabe o que fazer, Ele sabe.

O que hoje você tem de mais precioso? Ofereça, então, agora ao Eterno, e louve:

Tudo deixarei,
Tudo entregarei,
Sim, a ti Jesus bondoso
Sempre seguirei

Daniel Rocha, pastor
dadaro@uol.com.br


Saiba mais...
É Deus que Você Precisa, Cara Pálida!
Não Chores!
Quem conhece Ama
Tô nem aí!
Tudo Entregarei?