Somente Cristo

Artigo exibido: 3207 vezes

Disse-lhes, pois, Jesus: Quando levantardes o Filho do homem, então sabereis que Eu sou. (Jo:28)

Porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus. Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então vós também sereis manifestados com Ele, em glória. (Cl 3:3-4)

Pois nele foram criadas todas as cousas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam trono, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as cousas. Nele tudo subsiste. Ele é o cabeça do corpo, da igreja. Ele é o principio, o primogênito entre os mortos, para em todas as cousas ter a primazia, porque aprouve a Deus que nele residisse toda a plenitude, e que, havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as cousas, quer sobre a terra, quer nos céus. (Cl 1:16-20)

O conceito e a petição do homem
A dádiva que recebemos da mão de Deus é Seu Filho, Jesus Cristo. No entanto, bastante variada é a compreensão de muitos com respeito ao Senhor Jesus. Se você me permite dizer, dentre os filhos de Deus alguns consideram o Senhor Jesus como uma dádiva de Deus, enquanto que outros O apreciam como a única dádiva de Deus. Alguns recebem o Senhor Jesus como sua própria dádiva, pois crêem que há muitas dádivas além Dele – dádivas que podem passar por milhares ou dezenas de milhares de números; enquanto que outros confessam o Senhor Jesus como o dom de Deus, ou seja, Ele é o único dom de Deus.

Muitos recebem o Senhor Jesus e são, então, salvos. Mais tarde, porém, aprendem que ainda possuem muitas deficiências e necessidades. Alguns podem descobrir que seu temperamento irascível persiste mesmo após serem salvos; outros notam que seu orgulho os segue; enquanto outros percebem que sua covardia permanece com eles.

Na experiência dos filhos de Deus é freqüentemente observado que muitos, após terem sido salvos, perguntam, esperam, crêem e oram diante de Deus com respeito a muitas dádivas, as quais eles recebem no devido tempo. E eles numeram a Cristo entre as fileiras dessas muitas dádivas considerando-O como umas das dádivas de Deus apesar de admitirem que Ele é o primeiro e Aquele que vai à frente dos dons de Deus. É bastante surpreendente que notamos nossas necessidades quando começamos a seguir ao Senhor. No entanto, não somos nós já cristãos? Por que, então, deveríamos estar necessitados? No entanto é assim que nos sentimos de fato. Somos novos cristãos mas com deficiências, elas não são apropriadas, portanto nós lutamos para tratar com elas.

Nós oramos e esperamos, cremos e desejamos, e mais ainda, obtemos o que necessitamos. E certamente sentimos bem quando vencemos nossa deficiência especial. Nosso coração se regozija no fato de que obtivemos uma dádiva.

Ora, neste tipo de situação muitos filhos de Deus compreendem o dom e a graça de Deus, compreendem a graça de Deus como aquilo que reabastece a nossa necessidade. Na verdade, um certo número de pessoas provavelmente dirá: para o que mais é a graça de Deus, se não é para preencher a nossa falta? Eu tenho aqui uma Bíblia com mil páginas. Está faltando a página que pede a Deus para me reabastecer com Sua graça (se de fato existe tal página). Em outras palavras, o que me falta são apensa pedaços, mas serei completo quando este pedaço for preenchido. Algumas pessoas precisam de dez pedaços porque é disto que têm falta. Meu amor pessoal é provavelmente quase perfeito, apesar de que seria ainda melhor se um pouco de humildade e de paciência fossem adicionados. Eu posso ainda precisar desses bocados, mas serei perfeito após eles serem acrescentados. O conceito do homem é sempre uma questão de falta ou necessidade; em conseqüência, ele geralmente pede a Deus por esse suprimento especifico.

A situação é, portanto, como se segue. Todas as cousas nos faltam e por elas pedimos; objetos que podem ser contados em números. Declaramos que estamos em falta disto ou daquilo e que, se apenas Deus suprisse esta necessidade, tudo ficaria bem conosco. Suponha que necessitamos de paciência. Qual tipo de paciência exatamente nós esperamos ter? Nossos olhos raramente se elevam aos céus buscando o nosso padrão; ao contrário; geralmente olhamos ao nosso redor: “Que pena que não sou tão bom como fulano-de-tal! Ele é tão paciente, enquanto eu sou tão genioso. Ele é tão gentil, enquanto que eu sou tão orgulhoso. Gostaria que eu pudesse ser tão paciente e gentil como Ele é.” Há algum tempo atrás, sendo a primeira vez que orei após a minha salvação, pedi a Deus que me desse uma Bíblia como a que certo irmão tinha. Freqüentemente nós só conseguimos orar pelo que vemos concernente a outros. Somos incapazes de pedir algo do céu que nunca vimos. Nós, portanto, oramos por paciência ou por humildade, assim como as que uma certa pessoa possui. Já retratamos em nossa mente o que é humildade ou paciência.

Posso te fazer uma pergunta conjectural? Você ficaria feliz se, logo após crer no Senhor, Deus tomasse a paciência de uma certa pessoa e a depositasse em você? Muito provavelmente você se consideraria perfeito e plenamente satisfeito com tal adição.

Você vê a paciência como uma coisa, aquilo que outros possuem. Uma vez que existe tal característica chamada paciência entre irmãos e irmãs, você também deseja ter tal característica. Freqüentemente você passa a se odiar porque foi mal compreendido por causa do mau gênio. Quão bom seria se você apenas tivesse aquilo que outra pessoa tem. Por esta razão, muitos filhos de Deus admiram a paciência como se ela fosse uma coisa; ou seja, eles anseiam por algo assim como um temperamento controlado. Para eles, paciência é algo que Deus tem, que algumas pessoas aqui na terra têm, mas eles não possuem. A sua necessidade urgente é de terem a paciência adicionada a eles, fazendo-os assim pessoas pacientes também. Aqui está a diferença básica entre um cristianismo defeituoso e um cristianismo real. Muitos do povo de Deus buscam algo que parece estar em todos os lugares, exceto em suas próprias vidas. Eles notam que uma pessoa aqui, outra ali, e outra em algum lugar o tem, mas eles não. Eles buscam, portanto, uma coisa, algo na terra. Tal é o conceito comum no cristianismo. As pessoas perseguem então possuem algum item. Elas se alegram e ficam gratas por aquela coisa que obtiveram.


Cristo Somente
O que muitos falham em reconhecer é que na esfera espiritual nada há além de Cristo. Não há paciência, nem humildade, nem luz no mundo espiritual; essas coisas não existem. É Cristo somente.

Em vista disso, precisamos ter mais operação de Deus em nossas vidas. Quando somos salvos nos foi mostrado que o que necessitávamos era de Cristo, não de obras. Fomos salvos através de Cristo, não de obras, Fomos salvos através de Cristo e não por nossos esforços. Semelhantemente deveríamos ter uma drástica e cabal revelação assim em nossas preocupações vigentes; ou seja, que precisamos de Cristo, não de coisas. Assim como várias questões foram eliminadas quando nós cremos, muito mais questões que devem ser totalmente naufragadas hoje. Sendo que a única diferença é que o que foi destruído no início eram pecados, enquanto que o que deve ser demolido posteriormente são coisas espirituais. No início, o nosso orgulho, ciúme, vangloria, mau-gênio, ou algum outro pecado foi destruído, hoje nossa paciência, humildade e auto estilo de santidade devem também ser destruídos para que possamos entender que Cristo é a nossa vida e o nosso tudo. Quão vastamente oposto é este cristianismo do cristianismo que as pessoas geralmente concebem.

Um certo número de irmãos e irmãs sempre vêm conversar comigo e me fazer várias perguntas. Você pode estar entre estes, os quais se consideram melhores do que muitas outras pessoas, mas eu temo que você permaneça o mesmo por toda a sua vida, porque o que você tem em si mesmo são apenas coisas. Com respeito a paciência, você é muito paciente; com respeito a humildade, você é, com certeza, bastante humilde; você é brilhante em realizar tarefas e muito bom em sua conduta. Você ama e tem desejado sempre perdoar. De acordo com o padrão do homem, em que outro lugar alguém pode encontrar um cristão bom assim? Mesmo assim eu tenho que lhe dizer de frente que o que você tem em si mesmo são meras coisas. Você tem que chegar a conclusão, diante de Deus, que o que é espiritual não é uma coisa, mas é o Senhor Jesus Cristo. Não é aquilo que você tem, nem o que você pode fazer, nem ainda o que você pode obter, mas somente o que Cristo é. A não ser que Ele se torne aquela coisa em sua vida, nada mais é de qualquer valor espiritual. No mundo espiritual, nada há senão Cristo, uma vez que Ele é o tudo de Deus.

Cristo é a Vida
Seguindo as palavras “Eu sou o caminho e a verdade”, O Senhor continua com “e a vida”. Estamos atentos ao fato de que a vida resulta espontaneamente em trabalho, mas que o trabalho não pode ser um substituto da vida. Temos que deixar bastante claro aqui que o trabalho não é vida – pois a vida não requer esforço, a vida é o próprio Cristo. Como as pessoas labutam para serem cristãs! Como ficamos esgotados por nos esforçarmos diariamente! Bastantes severas são essas doutrinas, pois elas nos demandam ser humildes, gentis, clementes e longânimos. Elas literalmente nos esgotam. Muitos admitem que ser um cristão é uma difícil tarefa. Isto é verdadeiro especialmente para com os novos crentes. Quanto mais eles tentam, mais difícil se torna. Havendo tentado por um período de tempo, eles não apresentam qualquer semelhança com um cristão. Irmãos, se Cristo não é vida, nós temos que fazer o trabalho; mas se Ele é vida, então não precisamos pelejar. Repetidamente dizemos que a vida é o próprio Cristo, e que o trabalho não pode substituir a própria vida.

Existe um grande erro difundido entre os filhos de Deus. Muitos consideram a vida como algo que eles precisam produzir em sua própria força, ou senão não há vida. O que todos nós deveríamos compreender é que se existe vida não haverá a menor necessidade de nossa própria realização, mas essa vida fluirá naturalmente. Considere por um momento como os nossos olhos vêm e nossos ouvidos ouvem. Nossos olhos vêem bastante naturalmente e nossos ouvidos ouvem espontaneamente porque existe vida neles. Temos que ter clareza neste ponto: a vida flui naturalmente em serviço, mas o serviço nunca é um substituto para a vida. Algumas vezes o serviço prova, ao contrário, ausência de vida ou fraqueza de vida. A vida resultará em boa moral, mas a boa moral não é páreo para a vida. Por exemplo, um irmão pode ser muito gentil, moderado e reservado. Alguém o louvaria dizendo: “A vida deste irmão não é má.” Não, ele usou a terminologia errada. Pois o Senhor diz: “Eu sou a vida”. Não importa o quão gentil, moderado e reservado este irmão possa ser, se essas coisas não vêem de Cristo, elas não são reconhecidas como sendo vida. É perfeitamente correto dizer que este homem possui um bom temperamento ou que ele raramente causa qualquer problema, ou que ele sempre trata as pessoas bondosamente e nunca briga; mas não pode ser dito que ele tem uma vida espiritual rica. Se estas coisas são naturais para ele, elas não são vida, pois elas não vêm de Cristo.

Outras pessoas abrigam outro pensamento. Elas concluem que a vida é o poder. Ter o Senhor como nossa vida significa receber poder Dele para fazer o bem. No entanto, Deus nos mostra que o nosso poder não é uma coisa, é simplesmente Cristo. Nosso poder não é a força para realizar coisas, mas em vez disso é uma Pessoa. Vida para nós não é apenas poder, mas também uma Pessoa. É Cristo que manifestou a Si mesmo em nós, em vez de nós utilizarmos a Cristo para exibir as nossas boas obras.

Certa vez um irmão que se reunia em determinado lugar foi abordado por um cristão mais velho que lhe perguntou: “Por que você se reúne lá?“ “Porque lá há vida”, ele respondeu. O mais velho disse: “É verdade, com respeito a entusiasmos as nossas reuniões não são comparáveis àquele lugar”. “Você não entendeu”, replicou este irmão. “Aquele lugar não tem uma atmosfera agitada de forma alguma”. “O que você quer dizer?”, perguntou o irmão mais velho “Como pode haver vida se não é fervorosa?” O irmão mais jovem respondeu: “não há nada de barulhento ali, e no entanto há vida. Pois a vida não tem que ser excitante emocionalmente, ou entusiasta ou ardorosa, ou barulhenta”. Aquele homem mais velho então filosofou: “Talvez os jovens gostem de fervor, mas eu prefiro palavras profundas. Quando eu ouço palavras profundas, eu encontro vida. Eu acho que isto é realmente vida”. Mas o irmão jovem retornou: “Muitas vezes eu tenho ouvido as palavras profundas às quais você se refere, mas não tenho encontrado vida alguma”. Queridos, da conversa desses dois homens, podemos ver que a vida nem é uma agitação emocional, nem palavras profundas. Palavras de sabedoria, ditos inteligentes, argumentos lógicos e dissertações meditativas não são necessariamente vida.

Não é de se surpreender que alguém indague: “Quão estranho é que a vida não é fervor nem pensamento animador. Onde, então, podemos encontrar vida? O que é vida, afinal de contas?” Nós confessamos que não temos uma maneira melhor de expressar este assunto de discurso de vida. Tudo o que podemos dizer é que é algo mais profundo do que um pensamento. Uma vez que alguém a encontra, instantaneamente será vivificado interiormente. Isto é chamado vida.

O que é vida? Vida é mais profundo do que pensamento; o pensamento nunca supera a vida. Ela é também, mais profunda que a emoção; a emoção é superficial em comparação a vida. Tanto o pensamento quanto a emoção são algo relativamente externos. O que, então, é vida? O Senhor Jesus declarou: “Eu sou a vida”. Não deveríamos concluir apressadamente que encontramos vida quando tudo o que encontramos foi um tipo de atmosfera fervorosa, tal como a chamada atmosfera espiritual fervorosa. Em vez disso, deveríamos perguntar qual a procedência de tal atmosfera. Bastante experiências confirmam para nós que muitos que são hábeis na criação de atmosferas fervorosas conhecem muito pouco do Senhor. Somente Cristo é vida, o resto não o é. Nós precisamos aprender a lição de conhecer a vida. Pois a vida não depende de quão numerosos são os nossos pensamentos; ela descansa exclusivamente no fato do Senhor manifestar a Si próprio. Portanto, nada há mais importante do que conhecer o Senhor. À medida em que O conhecemos, tocamos a vida. Nós temos que compreender diante de Deus o significado de Cristo ser a nossa vida. Aqueles que ficam facilmente entusiasmados ou que são excepcionalmente inteligentes, não são necessariamente pessoas que conhecem ao Senhor. Para conhecê-Lo é necessário visão espiritual. Tal visão é vida, e ela nos transforma. Se nós conhecemos o Senhor como nossa vida, compreendemos a absoluta futilidade de todos os nossos esforços naturais em questões espirituais. Portanto nós olhamos somente para Ele.

Quando cremos no Senhor, não compreendemos o que realmente significa olharmos para Ele. Mas gradualmente vamos aprendendo a olhar para Ele, havendo reconhecimento do que tudo depende de Cristo, e não de nós. No inicio de nosso caminhar cristão desejávamos possuir uma coisa após outra; não conseguíamos confiar Nele para todas as coisas. Após termos aprendido um pouquinho mais, entretanto, recebemos algum entendimento quanto à necessidade de confiarmos Nele; Não no sentido de crer que ele nos outorgará item após item, mas no sentido de confiar que Ele fará o que somos incapazes de fazer por nós mesmos. Quando nos convertemos, éramos inclinados a fazer tudo por nós mesmo, temendo que as coisas nunca seriam feitas ou que as questões partiriam em pedaços se nós não as resolvêssemos. Portanto, trabalhávamos o tempo todo. Mais tarde, ao vermos que o Senhor é a nossa vida, conhecemos que tudo é de Cristo, não de nós mesmos. Conseqüentemente aprendemos a descansar e olhar para Ele.

Vamos guardar em mente que em vez de nos dar um objeto após outro, Deus dá o Seu Filho para nós. Por causa disto, podemos sempre elevar nossos corações e olhar para o Senhor, dizendo, “Senhor, Tu és o meu caminho; Senhor, Tu és a minha verdade; Senhor, Tu és a minha vida. És Tu, Senhor, que estás relacionado comigo, não as Tuas coisas”. Possamos pedir a Deus para nos dar graça para que possamos ver a Cristo em todas as coisas espirituais. Dia após dia somos convencidos de que à parte de Cristo não há qualquer caminho, nem verdade, nem vida. Quão facilmente nós fazemos das coisas como sendo o caminho, a verdade e a vida. Ou, chamamos uma atmosfera fervorosa de vida, rotulamos um pensamento lúcido como sendo vida. Consideramos uma emoção forte ou uma conduta exterior como vida. Na realidade, entretanto, estas coisas não são vida. Temos que compreender que somente o Senhor é a vida. Cristo é a nossa vida. E é o Senhor quem vive está vida em nós. Peçamos a Ele para nos livrar de muitos afazeres externos e fragmentados, para que possamos tocar apenas Nele. Que possamos ver o Senhor em todas as coisas – caminho, verdade e vida são todos encontrados em se conhecer a Ele. Que possamos realmente nos encontrarmos com o filho de Deus e deixá-Lo viver em nós. Amém.

Autor: Watchman Nee
Extraído da Revista, À Maturidade número 25, Verão de 1994.
--- 

Cristo é a humildade de Deus incorporada em natureza humana.
Andrew Murray


Saiba mais...
A Ofensa da Cruz
Aparecendo-lhes por Espaço de Quarenta Dias
Como em Adão, assim em Cristo
Do Monte da Transfiguração até o Gólgota
Getsêmani Conflito e Vitória
Nossas Inseguranças sobre Jesus
O Sacrifício da Cruz
O Senhor Nunca Fica Desanimado
Os Dois Lados da Verdade - Objetivo (Exterior) e Subjetiva (Interior)
Sete Cestos Cheios
Somente Cristo
Vendo Cristo no Evangelho
Vendo Cristo nos Problemas