Justificação

Artigo exibido: 3919 vezes

Romanos 4:1-25

A doutrina da justificação é um dos grandes temas da mensagem de Paulo no Mistério e é a necessidade básica de todo pecador, se ele quiser entrar na presença de seu Deus Criador. Mas a justificação não está limitada a esta dispensação da Graça de Deus. A justificação foi prometida a Israel, como vemos no Livro de Isaías.

'OLHAI PARA MIM, E SEREIS SALVOS, VÓS, TODOS OS TERMOS DA TERRA; PORQUE EU SOU DEUS, E NÃO HÁ OUTRO... MAS NO SENHOR SERÁ JUSTIFICADA E SE GLORIARÁ TODA A DESCENDÊNCIA DE ISRAEL' (Isaías 45:22-25).

Nesta passagem, vemos que a justificação sempre foi a grande necessidade do homem, mas a questão de como um homem poderia ser justificado nunca foi respondida pelos profetas. Isto é, até que chegamos às epístolas do Apóstolo Paulo, onde encontramos a resposta um homem pode ser justificado por um Deus Santo.

O Que É A Justificação?
Antes que nós possamos entender bem e apreciar o que Paulo está dizendo sobre este assunto de justificação, é necessário que entendamos o que Deus quer dizer quando fala de qualquer filho de Adão sendo justificado.

Se fossemos consultar um dicionário, poderíamos encontrar vários usos comuns desta palavra em nossa sociedade, hoje. Em nossa conversação diária, justificação significa provar que um ato é JUSTO ou IMPARCIAL. É também usado para demonstrar a BOA INTENÇÃO de um ato. Num tribunal de justiça, a justificação é a demonstração de uma razão suficiente do porquê um acusado fez um certo ato. Porém, nas Escrituras, a justificação significa muito mais do que simplesmente demonstrar uma razão para as ações do pecador. O Dr. C. I. Scofield faz a seguinte afirmação com relação à justificação:

'Justificação é o ato judicial de Deus pelo qual ele declara justo aquele que crê em Jesus Cristo. É o próprio JUIZ que declara que o crente justificado esteve no tribunal, e este fica sabendo que não é acusado de mais nada.'

A justificação, portanto, é um decreto divino que pronuncia os pecadores que aceitam Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor pessoal, para serem tão justos quanto o próprio Cristo. Vemos esta verdade em II Coríntios 5:21, onde Paulo declara:

'ÀQUELE (Cristo) QUE NÃO CONHECEU PECADO, (Deus) O FEZ PECADO POR NÓS (os pecadores); PARA QUE NELE (Cristo) FÔSSEMOS FEITOS JUSTIÇA DE DEUS.'

Esta justiça confiada aos pecadores crentes assegura uma posição perfeita para aqueles pecadores diante de Deus, para sempre. Tendo como propósito que a justificação confere justiça ao pecador para sempre, o Dr. Scofield diz:

'Uma vez que esta maravilhosa justificação de nossa posição repousa sobre um decreto de Deus, cujas decisões não estão sujeitas à vacilações e mudanças, somos forçados a concluir que é ilógico e anti-bíblico prever que um passo errado de quem é justificado possa alterar, cancelar ou anular a declaração do Deus Todo-Poderoso'.

Por Que Precisamos Ser Justificados?
Para melhor apreciar este assunto de justificação, consideremos a questão: Por que necessitamos de ser justificados?

As Escrituras afirmam claramente que o homem é um pecador e que está sob a condenação e a ira do Deus Todo-Poderoso. Vemos estas duas condições do homem na carta de Paulo aos Romanos.

Em Romanos 3:23, nós lemos: 'PORQUE TODOS PECARAM E DESTITUÍDOS ESTÃO DA GLÓRIA DE DEUS', e em Romanos 6:23 Paulo diz: 'PORQUE O SALÁRIO DO PECADO É A MORTE...'.

Por causa do caráter santo de Deus, Ele não pode permitir que o pecado de qualquer forma entre em Sua presença. Como o homem perdeu sua justiça de criatura, quando Adão desobedeceu a Deus no jardim do Éden, toda a humanidade agora está condenada e separada de seu Deus Criador. A pergunta dos séculos tem sido, e ainda é: de que forma o homem pode obter novamente o que Adão perdeu? A maior necessidade do homem é se tornar tão justo como o próprio Deus, de modo que ele possa ter aquela comunhão perfeita com o seu Criador, que Adão teve. A justiça é o que Deus dá a todo pecador que recebe Cristo como o seu Salvador e Senhor pessoal. Esta justiça é o resultado da justificação do crente por Deus, o justo Juiz.

Perdão e Justificação
A este ponto de nosso estudo, acho que seria bom reconhecermos a diferença entre o pecador que é perdoado e aquele que é justificado. Alguns acham que, se um homem pudesse ser apenas perdoado de seus pecados, todos as suas necessidades poderiam ser supridas, e ele poderia ficar na presença de seu Criador. Mas, se atentarmos melhor para estas duas doutrinas, descobriremos que ambas são necessárias para o caído filho de Adão, já que o perdão sozinho deixará o homem ainda separado de Deus e excluído da comunhão que ele ne- cessita com o seu Criador.

O PERDÃO É A REMISSÃO DA PENALIDADE LEGAL DO PECADO. Ao ser perdoado, um pecador continua sendo culpado de seu pecado, portanto, ainda é pecador. Isto porque perdeu a sua justiça de criatura, mas não terá que pagar a penalidade pelo seu pecado. Como Deus é santo e não permitirá que nenhuma de Suas criaturas que tem menos justiça do que Ele entre na Sua presença, este pecador perdoado será ainda separado de seu Deus Criador.

A JUSTIFICAÇÃO, por outro lado, É A DECLARAÇÃO JUDICIAL DE UMA POSIÇÃO JUSTA ANTE O NOSSO SANTO DEUS. O pecador não só precisa ser perdoado, de modo que ele não tenha que sofrer a penalidade por seu pecado, como ele também necessita ser feito justo a fim de entrar na presença de seu Criador e ter aquela comunhão face a face que Adão gozou antes de sua queda.

Como Recebemos A Justificação?
Quando nós reconhecemos que o homem é um pecador e que está separado de Deus, estando sob a condenação do pecado, como pode o homem natural esperar obter de novo a posição que Adão tinha pela criação, mas que perdeu por causa de sua desobediência?

Embora teólogos e pastores tenham estabelecido diferentes atividades e rituais para que o homem se torne aceitável diante de Deus, as Escrituras deixam claro que a justiça de Deus não é obtida pela vontade ou pelos esforços do homem. A Palavra de Deus é clara, ao mostrar que o homem não se torna justo guardando a Lei de Moisés. Vemos isto em Romanos 3:20:

'POR ISSO NENHUMA CARNE SERÁ JUSTIFICADA DIANTE DELE PELAS OBRAS DA LEI, PORQUE PELA LEI VEM O CONHECIMENTO DO PECADO.'

Em Romanos 3:19-20, deve ser evidente a qualquer um que pode ler, que a Lei de Moisés não foi dada com o propósito de tornar qualquer homem justo diante de Deus. Antes, a Lei foi dada para que o homem soubesse da sua condição de pecador e que todo o mundo fosse condenável diante de Deus.

As Escrituras deixam claro também, que a justiça não é obtida através da observação de nenhuma cerimônia religiosa. Em Romanos 3:10-11, Paulo diz:

'COMO ESTÁ ESCRITO: NÃO HÁ UM JUSTO, NEM UM SEQUER. NÃO HÁ NINGUÉM QUE ENTENDA; NÃO HÁ NINGUÉM QUE BUSQUE A DEUS.'

Há necessidade de se dizer mais? Não há NINGUÉM que tenha ou que possa obter uma justiça igual a de Deus por qualquer esforço por ser religioso. De fato, este versículo diz que não há NINGUÉM que busque a Deus. Se formos honestos, todos nós teremos que admitir que não estávamos procurando por Deus quando a Palavra chegou até nós e nos convenceu que éramos pecadores que precisavam do perdão de Deus. Todos nós estávamos seguindo nossos próprios caminhos, procurando pelas coisas deste mundo ou nossa religião, e provavelmente sem um pensamento sobre Deus ou Sua justiça. Era Deus quem estava nos procurando e foi o Espírito Santo quem pôs a Palavra de Deus em nossos corações, impressionando-nos com a condição horrível em que estávamos e a que trágico fim estávamos nos dirigindo. Foi Deus quem nos virou e quem nos trouxe a Ele, quando respondemos à sua Palavra e confiamos em Cristo. Portanto, vemos disto que nenhuma atividade religiosa nos dará a justiça de que precisamos para nos qualificar a entrar na presença do nosso santo Deus.

Nenhuma auto-justiça, nem retidão moral, produzirá a justiça de que precisamos antes que possamos ficar diante de Deus e ter aquela comunhão face a face que Adão tinha. Romanos 3:12 diz-nos:

'TODOS SE EXTRAVIARAM, E JUNTAMENTE SE FIZERAM INÚTEIS. NÃO HÁ QUEM FAÇA O BEM, NÃO HÁ NEM UM SÓ.'

Eu tenho certeza de que concordaríamos que o 'TODOS' deste versículo é universalmente INCLUSIVO e que nenhum filho de Adão seria capaz de dizer que isto não se aplica a ele. Se concordamos que 'TODOS SE EXTRAVIARAM' do caminho que Deus colocou para o homem andar na hora da criação, então também teremos que concordar que o 'NÃO HÁ QUEM' deste versículo é também universalmente INCLUSIVO. Sendo assim, não fica claro que 'NEM UM SÓ' destes filhos de Adão que 'SE EXTRAVIARAM' possa fazer algo para agradar a Deus e muito menos tornar-se tão justos quanto Cristo?

Se o homem, por seus próprios esforços não pode obter uma posição justa diante de Deus, como o homem pode esperar tornar-se justo?

Paulo Tem A Resposta
É Paulo quem nos diz que é 'EM CRISTO' que os filhos de Adão podem ser justificados e recebem tudo o que Adão perdeu quando ele caiu, e muito mais (Efésios 1:3). É também Paulo quem nos diz que é 'EM CRISTO' que recebemos a justiça que é necessária para ficarmos diante do nosso santo Criador (II Coríntios 5:21) e que 'EM CRISTO' temos aquela perfeita comunhão que Adão perdeu (Romanos 5:1). É também Paulo que nos diz que 'EM CRISTO' temos aquela Vida Eterna que Adão não encontrou antes de cair.

A justificação é conferida a todo crente no momento em que confia na Morte, Sepultamento e Ressurreição de Cristo como seu substituto no pagamento do pecado. É a justiça de Cristo que é imputada ao pecador e é a justiça de Cristo que permite ao pecador entrar na presença de seu santo Deus Criador.
- - - - - - - -

Romanos 5:12-21
Em nosso estudo introdutório sobre a Justificação, vimos que a grande necessidade do homem era a de ser feito justo como Deus o é, pois sem este grau de justiça nenhum filho de Adão jamais poderia entrar na presença de nosso Deus Criador.

A justificação é um ato judicial de Deus pelo qual Ele declara justo aquele que aceitou Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor pessoal, para ser tão justo quanto Jesus Cristo. É o próprio Juiz quem declara que o crente justificado esteve no Tribunal e fica sabendo que não é acusado de mais nada. Um crente é justificado no momento em que crê na Morte, Sepultamento e Ressurreição de Jesus Cristo como seu substituto no pagamento do pecado.

A justificação é um aspecto da Salvação e é essencial, se o pecador deseja entrar para sempre na presença de Deus, porque a santidade de Deus exige que a Sua criação seja tão justa quanto Ele o é, para que seja aceita em Sua presença.

Somos ensinados nas Escrituras, que o homem é um pecador e que está sob a condenação e ira do Deus Todo-Poderoso. Em nosso estudo introdutório sobre a justificação, vimos que a justiça não é obtida pela observação da Lei de Moisés (Romanos 3:19-20); pela observação da religião (Romanos 3:10); nem pela retidão moral (Romanos 3:12). Há somente um meio para o filho de Adão receber a justiça igual àquela de Deus. Este meio é recebê-la como um DOM (presente) da Graça de Deus, como vemos em II Coríntios 5:21:

'AQUELE (Deus Pai) QUE NÃO CONHECEU PECADO, O (Jesus Cristo) FEZ PECADO POR NÓS (o pecador); PARA QUE NELE FÔSSEMOS FEITOS JUSTIÇA DE DEUS'.

Esta imputação da justiça de Cristo ao pecador crente assegura que este pecador É PERFEITO perante Deus por toda eternidade. Se pudermos compreender o significado deste ato judicial de Deus, isto nos ajudará a reconhecer que, uma vez salvo, ele está salvo para sempre.

Esta declaração de Justificação é conferida ao pecador que crê, quando ele exercita a sua fé, quando crê que Jesus Cristo é Deus-Filho manifesto em carne humana, que Ele viveu a vida perfeita que Deus esperava que Adão vivesse (e toda a sua descendência) e, que Jesus Cristo não tinha nenhum pecado para pagar por Si mesmo, mas Ele voluntariamente tomou sobre Si o nosso pecado e pagou o preço da nossa dívida, morrendo na Cruz do Calvário. É a nossa fé neste registro concernente a Jesus Cristo que produz a base para que Deus atribua a justiça de Cristo a nós. Vemos isto em Rm.5:1.

'SENDO POIS JUSTIFICADOS PELA FÉ, TEMOS A PAZ COM DEUS, POR NOSSO SENHOR JESUS CRISTO.'

Como Nós Somos Justificados?
Já vimos que o homem não pode obter uma posição justa diante Deus, por seus próprios esforços. Ao contrário, a justiça SÓ pode ser conseguida na pessoa de Jesus Cristo. A próxima questão que naturalmente vem à mente é: Como podem os caídos filhos de Adão ser justificados em Cristo?

Freqüentemente, lemos as Escrituras e aceitamos as afirmações aí encontradas, sem nem mesmo analisar ou ligar o que lemos. Ao responder esta questão, de como os filhos de Adão podem ser justificados em Jesus Cristo, olhemos algumas Escrituras e juntemo-nas de modo que tenhamos uma figura clara do que a Palavra de Deus ensina. Isto evitará que cometamos um erro que muitos fazem, isto é, pensar que qualquer homem é capaz de, através de seus próprios esforços, produzir uma condição que obriga Deus a aceitá-lo e dar-lhe Salvação e Justificação.

Primeiro, tenhamos a certeza de que reconhecemos que a justificação é um ATO DE GRAÇA da parte de Deus e que é (foi) entregue gratuitamente ao crente através da FÉ. Vemos isto em Romanos 3:24-25:

'SENDO JUSTIFICADOS GRATUITAMENTE PELA SUA GRAÇA, PELA REDENÇÃO QUE HÁ EM CRISTO JESUS, AO QUAL DEUS PROPÔS PARA PROPICIAÇÃO PELA FÉ NO SEU SANGUE...'.

A GRAÇA, lembre-se, é dar algo para nós, quando nós não merecemos nada. A Graça é um ato de amor de Deus, motivada pela fé do homem, ao fazer o que Deus pede a ele que faça. As instruções de Deus para esta dispensação de Sua Graça são APENAS encontradas na Bíblia (e SOMENTE nas epístolas do Apóstolo Paulo), porque Deus não está falando aos homens hoje, através de vozes, sinais, nem de visões (I Coríntios 13:8-10).

O homem caído não poderia receber nem obter justificação de um Deus santo por qualquer outro meio a não ser a simples GRAÇA. Acho que podemos ver isto, quando consideramos que qualquer valor de mercadoria é determinado pelo preço pago por ele. O valor da Salvação, e sermos feitos justos, é imensurável. Nenhuma quantidade de dinheiro, nem qualquer quantidade de boas obras, poderiam comprar a justiça exigida pelo nosso Santo Deus para capacitar um filho caído de Adão a entrar em Sua presença. Assim, para manter o valor sem medida de Sua Salvação, Deus DÁ isto ao crente pecador. O PERDÃO DOS PECADOS e a JUSTIÇA PERFEITA são DADOS aos pecadores crentes como um DOM (presente). Como estes dois ingredientes de Salvação são dados ao pecador que crê, geralmente esquecemos o seu verdadeiro valor. Para ver-se o extremo valor do perdão de Deus e a Sua justificação, notemos o que custou a Jesus Cristo tornar possível a salvação para os filhos caídos de Adão. Paulo diz aos Romanos:

'LOGO MUITO MAIS AGORA, SENDO JUSTIFICADOS PELO SEU SANGUE, SEREMOS POR ELE SALVOS DA IRA' (Romanos 5:9).

Foi o precioso SANGUE DE CRISTO que comprou a nossa redenção, e com esta redenção, a nossa justificação. Como Deus poderia baratear o sangue de Cristo vendendo o Seu perdão e justificação pelas obras do homem ou por qualquer outro preço? ELE NÃO PODERIA! Para manter este valor imensurável de Sua Salvação e Justificação, Deus PRECISA DÁ-LA DE PRESENTE. E Ele faz isto, mas somente àqueles que CRÊEM NELE.

Geralmente pensamos no sofrimento de Cristo e na Sua morte, somente do ponto de vista de Sua humanidade, mas Atos 20:28 fala do ponto de vista de Sua DEIDADE:

'OLHAI POIS POR VÓS, E POR TODO REBANHO SOBRE QUE O ESPÍRITO SANTO VOS CONSTITUIU BISPOS, PARA APAS RESGATOU COM SEU PRÓPRIO SANGUE.'

Desta Escritura, devemos reconhecer o fato de que somos justificados pelo SANGUE DE DEUS.

Por Deus ter pago este horrível preço pelo nosso pecado e ter portanto, comprado a nossa justificação, Ele pode responder a todas as acusações que Satanás poderia fazer, quanto à justiça de Deus ao redimir e declarar pecadores praticantes tão justos quanto Cristo o é. Observe como Paulo trata deste assunto.

'AO QUAL DEUS PROPÔS PARA PROPICIAÇÃO (uma satisfação justa) PELA FÉ NO SEU SANGUE, PARA DEMONSTRAR A SUA JUSTIÇA PELA REMISSÃO DOS PECADOS DANTES COMETIDOS SOB A PACIÊNCIA DE DEUS; PARA DEMONSTRAÇÃO DA SUA JUSTIÇA NESTE TEMPO PRESENTE, PARA QUE ELE SEJA JUSTO E JUSTIFICADOR DAQUELE QUE TEM FÉ EM JESUS' (Romanos 3:25-26).

É maravilhoso perceber que a justificação é concedida pela graça de Deus, mas quando pensamos mais seriamente sobre este ato de Deus, percebemos que Deus não pode 'DEMONSTRAR' algo, sem empregar a Sua AUTORIDADE. Portanto, novamente isto chama a nossa atenção, que é Deus Todo-Poderoso quem exercita a Sua autoridade quando Ele justifica o pecador que crê, e não há poder em todo o Universo que possa anular a autoridade do nosso Deus Criador. Davi sabia da segurança que vem com a autoridade do perdão de Deus. Em Romanos 4:6-8 lemos:

'ASSIM TAMBÉM DAVI DECLARA BEM-AVENTURADO O HOMEM A QUEM DEUS IMPUTA A JUSTIÇA SEM AS OBRAS, DIZENDO: BEM-AVENTURADOS AQUELES CUJAS MALDADES SÃO PERDOADAS, E CUJOS PECADOS SÃO COBERTOS. BEM-AVENTURADO O HOMEM A QUEM O SENHOR NÃO IMPUTA O PECADO.'

O Paradoxo da Justificação
Este ato de declarar o pecador que crê como sendo justo é contrário ao fato. Sabemos que o pecador crente não é justo em tudo o que faz. O fato é que o homem que aceita o perdão e justificação de Deus é AINDA UM PECADOR, mas, no momento em que ele recebe Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor, Deus o declara JUSTO, embora Deus saiba muito bem que este homem nada tem de justo em relação ao registro de suas atividades passadas. Mas Deus age com base na PERFEIÇÃO DE CRISTO, e não em nossa falta de perfeição. Vemos este aspecto da salvação de Deus em Efésios 1:6, onde lemos:

'PARA LOUVOR E GLÓRIA DA SUA GRAÇA, PELA QUAL NOS FEZ AGRADÁVEIS A SI NO AMADO.'

Há outro paradoxo na doutrina da Justificação, porque sabemos que quando um pecador crê em Cristo, ele NÃO É JUSTO, mas Deus o DECLARA justo. Mesmo que este crente pecador continue a cometer pecado, Deus o vê tão justo quanto Cristo, porque Ele o declarou justo. Embora o crente pecador não seja justo em seu ESTADO, Deus disse que ele é justo em sua POSIÇÃO (que está EM CRISTO). Esta posição é um ato de autoridade divina, imputada por Deus a todo aquele que crê. Esta posição é perante Deus, e não perante os homens.

O oferecimento de Deus da justificação é somente para aqueles que crêem. Paulo mostra isto claramente em Romanos 4:24:

'MAS TAMBÉM POR NÓS (CRENTES), A QUEM SERÁ TOMADO EM CONTA; OS QUE CREMOS NAQUELE QUE DOS MORTOS RESSUSCITOU A JESUS NOSSO SENHOR'.

Paulo nunca fala da justificação diante dos homens, mas o grande tema da justificação envolve a nossa POSIÇÃO PERANTE DEUS. Note como ele escreve que a nossa justificação é perante Deus:

'POR ISSO NENHUMA CARNE SERÁ JUSTIFICADA DIANTE DELE PELAS OBRAS DA LEI, PORQUE PELA LEI VEM O CONHECIMENTO DO PECADO' (Romanos 3:20).
'E É EVIDENTE QUE PELA LEI NINGUÉM SERÁ JUSTIFICADO DIANTE DE DEUS, POR QUE O JUSTO VIVERÁ DA FÉ' (Gálatas 3:11).

Conclusão
A justificação vem para o pecador crente por um ato poderoso da própria autoridade de Deus. O maravilhoso fato de tudo isto ter sido DADO GRATUITAMENTE pela graça de Deus é a provisão de que o homem pode aceitá-la POR ESCOLHA somente pela fé (Romanos 4:24).

Autor: Pastor Marvin Duncan (editado)

Saiba mais...
A Escolha que Confrontou Adão
A Queda do Homem
Evangelho - A Boa Nova
Há um Deus?
Justificação
Não Estou Salvo!
Nascer de Novo
O Caminho que Funciona
O Evangelho: Crer e Obedecer
O Homem Certo Ao Nosso Lado
O Medo de Crer
Sete Evidências do Novo Nascimento
Um Deus Justo e Salvador
Você é da Família de Adão ou da Família de Cristo?