Mais que Vencedores

Artigo exibido: 3557 vezes

“Em todas estas cousas, porém somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou.” (Rm 8:37)

Calvário significa que Cristo não só levou os seus pecados no madeiro, mas que também carregou-o para o madeiro – carregou o pecador. Quando você chega ao ponto de reconhecer que Deus não conserta a velha vida, mas pede que você a considere crucificada e receba dEle uma nova vida, você descobre que esta vida nova tem em si todas as características que lhe são peculiares. Assim como a velha vida adâmica, a nova vida tem as suas características próprias.

É necessário repetir freqüentemente esta mensagem da Cruz, pois a verdade somente se apodera de nós “ponto a ponto”, até finalmente nos “agarrar” e operar eficazmente em nós, os que cremos.

Além do mais, Cristo, como o Homem representativo, não apenas carregou o pecador para a cruz do Calvário, mas ali também, através da morte de cruz, Ele triunfou completamente sobre Satanás (Cl 2:15). Logo, não há qualquer necessidade de um cristão temer a Satanás, - um adversário absolutamente conquistado para a alma que conhece:

A Vitória do Calvário
“O medo produz tormento.” A obra consumada do calvário elimina o temor da morte (Hb 2:14, 15) e do príncipe da morte.

Cristo levou na Cruz os seus pecados, de tal forma que você pode tê-los cancelados através do Seu sangue. Desde então, nem mesmo todos os espíritos malignos de Satanás podem expô-los ou lançá-los sobre você. Deus mesmo os apagou dizendo: “E dos seus pecados jamais me lembrarei” (Hb 8:12). Isto é salvação da culpa e penalidade do pecado. Mas é de vital importância a compreensão de que, quando Deus cancela o pecado, Ele o faz desde que você o abandone. Deus não pode cancelar o que você não abandona.

Uma vez sabendo que seus pecados foram cancelados e que você realmente nasceu de Deus pela nova vida que lhe foi concedida, é agora necessário entender três aspectos da vida de vitória através da Cruz.

1. Vitória sobre o Pecado
O pecador salvo pela morte de Cristo tem o direito de romper com o pecado. Ele pode falar em nome do Vencedor Jesus: “Pecado nenhum tem domínio sobre mim” – ou seja, você pode dizer firmando-se em Romanos 6:6: “Nenhum hábito duvidoso tem direito sobre mim. Eu me recuso absolutamente a estar sob a escravidão, em nome dAquele que morreu por mim”. Como alma redimida, você tem o direito de dizer isso porque a obra foi feita na Cruz por você, e você deve tomar posse e se apropriar de tudo o que Cristo obteve por você (Rm 6:13). Tal vitória sobre o pecado não é glória alguma para você, pois não foi obtida por sua vontade ou força humana, mas através da obra consumada de Cristo na Cruz. Ele obteve para você o perdão dos pecados e a vitória sobre o pecado e sobre a morte.

Considere a solitária cruz! Veja ali o Cordeiro! Moody dizia que “Deus conquistou o leão do inferno com um Cordeiro imolado!” E foi na cruz que isto aconteceu. Oh, que a Igreja de Cristo se levantasse em nome de Jesus Cristo e recusasse estar em escravidão ao pecado ou a Satanás. A Igreja deveria se levantar em nome de Cristo, declarando que todas as obras do diabo contra si podem ser destruídas, porque Cristo foi manifestado para destruí-las (I Jo 3:8).

Vamos nos apoderar do fato da vitória do Calvário, e da verdade de que Satanás é um inimigo derrotado. Cristo o venceu no Calvário. Quando você se firma em Romanos 6 reconhecendo a velha vida crucificada, seu espírito se torna unido a Cristo – “unido ao Senhor, um só espírito!” Você não sai sozinho contra um inimigo enorme e terrível. Seu espírito “unido ao Senhor” é “um só espírito” com Ele. Cristo é o Vencedor, e você está unido em só Espírito ao Vencedor.

Deus não lhe dá vitória por você mesmo. Ele lhe dá a vitória pelo fato de você estar unido em espírito ao Vencedor. “Maior é o que está em vós do que aquele que está no mundo” (I Jo 4:4). Irá você, então, se acovardar e tremer diante do inimigo, quando estamos unidos ao Vencedor, unidos ao Vitorioso – unidos em só espírito? Mas você não conhece esta “união” até chegar a Cristo. Pois a velha vida-adâmica deve, portanto, ser reconhecida como crucificada, pois serve como matéria-prima para Satanás e se não for mantida na posição de morte a todo o momento, serve como material onde Satanás coloca seus “dardos inflamados”. Satanás tem plenos direitos sobre toda a velha criação. Ele conhece aquela parte da velha vida em você que não está “crucificada”, e direciona todos os seus dardos inflamados para esse ponto. Esses dardos têm em suas pontas um pouco do fogo do inferno (Tg 3:6), e quando eles o atingem, queimam e ardem em chamas, e fazem você “se inflamar”.

Sempre que você vir um cristão chamejando, pode saber de onde isso procedeu. Da velha vida, “posta em chamas pelo inferno”.

Filho de Deus, você “se inflama” e diz coisas que não deveria dizer? Você lampeja coisas grosseiras, “postas em chamas” por Satanás? Esta não é a “luta” que vence, mas apenas a que fracassa todas as vezes. Você vê a importância de Romanos 6? Suponha que sem se firmar em Romanos 6, você saia na ofensiva contra Satanás. Como ele riria! Ele diria: “Por que a matéria que me pertence está aí? Ele têm tanto da minha mercadoria”. Você não pode atar o “homem forte”, porque a sua mercadoria está dentro e em torno de você. Portanto você deve tomar sua posição no Calvário, reconhecendo a velha vida crucificada momento após momento, de tal forma que o fogo do inferno não o prenda e ponha chamas “a roda da natureza”- esta natureza que já possui em si o veneno da serpente por causa da sua vitória sobre o homem no Éden.

Tem que haver o espírito do Cordeiro – do Leão-Cordeiro – o próprio Espírito de Jesus – para esta batalha contra o leão do inferno. Quando os dardos inflamados vierem, eles devem encontrar em você o espírito do Cordeiro, embora muitos possam pisá-lo, maltratá-lo e ludibriá-lo – não deve haver em você chama alguma (a qual você chamaria de “indignação justa”). É necessário a libertação do Calvário e o espírito do Cordeiro do Calvário.

2. Vitória no Sofrimento
Este aspecto da vida vitoriosa é encontrado em Romanos 8:35-39. O apóstolo diz que “Fomos considerados como ovelhas para o matadouro... em todas estas cousas, porém, somos mais que vencedores por meio daquele que nos amou!” ”Mais que vencedor” quando você é maltratado, e quando por amor a Cristo você é considerado, assim como Ele foi, um cordeiro adequado apenas para o matadouro. “Entregues à morte por causa de Jesus!” Não é agradável ser considerado uma ovelha para o matadouro; não é “dignificador”! Aqui não há lugar algum para o orgulho. Não houve muito espaço para a “dignidade” na morte de Cristo, o Senhor, no Calvário. Quando Ele foi conduzido pela estrada com uma coroa de espinhos sobre Sua fronte, com sangue sobre Sua face, após ter andado dez quilômetros durante a noite, ao ser movido de lugar para lugar – não havia muita “dignidade” – não havia “beleza que nos agradasse”. Não foi uma morte “dignificadora”! Ele foi exposto à vergonha pública!

O que mais fere aos filhos de Deus é aquilo que toca sua dignidade. Eles não se importam em serem envergonhados perante Deus, mas sim perante os homens. Como eles se envergonham de qualquer coisa que humilhe! Mas tudo isto morre quando o cristão sente que está realmente sofrendo com Cristo.

Não é dito “entregues à morte por causa deles mesmos” mas “por causa de Cristo”. Não significa que você é espancado e chicoteado por estar errado, mas estando certo! Se você fizer o bem e sofrer por isso, suportando pacientemente, isto é graça; mas se fazemos mal e por isso sofremos, e suportamos com paciência, que glória há nisso? (Ver I Pedro 2:7). Isto é vitória e é ser um vencedor no sofrimento por causa de Cristo. Se você erra e sofre por isso, não deve chamar a situação de “sofrimento por Cristo”. “Por amor de Ti somos sempre entregues à morte ...em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores!” Este é o triunfo do espírito do Cordeiro ao sofrer “por amor a Jesus”, e esta é a vitória sobre o mundo.

3. Vitória sobre Satanás
Ao ter vitória sobre Satanás você vence de uma forma bem diferente. O verdadeiro espírito daquele que é unido a Cristo é um espírito que suporta a aflição, sofre injustamente com paciência e é um espírito de amor. Esta é a sua atitude para com os seres humanos, ainda que sejam a causa visível e imediata do seu sofrimento. Essa não deve, porém, ser a atitude para com o maligno. Você não deve ser um “cordeiro” para com o maligno. Seja um “cordeiro” para com as pessoas, seja paciente com elas, ame-as, seja “mais que vencedor” mostrando-lhes o Espírito do Cordeiro. Entretanto, ao mesmo tempo, você deve ter uma atitude de resistência contra o maligno, conforme nos é dito em I Pedro 5:8,9 e Tiago 4:7.

Há portanto, três aspectos da vida vitoriosa:
1 – O aspecto em relação ao pecado – “Mortos para o pecado” (Rm 6)
2 – O aspecto em relação às pessoas – “Mais que vencedor” quando eles o “matam”.
3 – O aspecto em relação ao diabo – “Resisti ao diabo” no nome de Jesus Cristo, nosso Senhor.

Efésios 6 descreve este último aspecto da vida vitoriosa em resistência ao inimigo. Enquanto o Senhor Jesus era o “Cordeiro” em relação aos homens, Ele era um “Leão” para com o diabo. É nos dito que Ele livrou-se dos principados e potestades e os expôs ao desprezo público; e o que foi derrota aos olhos dos homens foi vitória aos olhos de Deus. O que foi “vergonha” aos olhos dos homens, foi glória aos olhos de Deus. Em relação a Satanás e a toda sua hoste maligna, Cristo era um LEÃO – O Leão de Judá.

Em Efésios 6 vemos um pouco de batalha espiritual – a vida do Leão – contra os poderes das trevas. Aqui vemos o soldado com o espírito de soldado – “Doravante sê forte”. Do lado humano, Cristo foi “crucificado em fraqueza”, mas Ele era “valente” – mais valente que o “valente”. Seu nome é valente – “Sobrevindo, porém, um mais valente do que ele”. Assim, Cristo é chamado de “mais valente do que ele”. Ele é mais valente que o “valente”. Portanto, para o cristão firmado “em Cristo” que estiver enfrentando Satanás, a mensagem é “Sê forte” . Agora você não deve falar de “fraqueza”. Você pode ser fraco em sua humanidade e em si mesmo, mas você deve ser “forte no Senhor”

Um dos estratagemas do diabo é fazer com que os filhos de Deus aceitem a fraqueza, por causa da “fraqueza da Cruz” (II Co 13:3, 4); porém isso se refere ao lado humano, em relação aos homens. Na esfera espiritual a palavra vibrante é “SÊ FORTE!” Do lado terreno, “me gloriarei nas fraquezas”, disse Paulo. Mas ao enfrentar o inimigo, “Sê forte!” “De agora em diante sê Forte!” O que está escrito não é “Tente ser forte”, mas sim “SÊ”, ele dá poder para ser. Ele disse “Haja luz” e houve luz! Assim, sempre que Deus lhe diz “Sê isso ou aquilo”, diga “Amém, EU SOU isso e aquilo”, ou seja, É ASSIM! Deus fala a palavra, você se apropria dela, e ela se torna realidade à medida em que você a assume e cumpre. Deus o faz. Então Deus diz “Sê forte!” “Diga o fraco: EU SOU FORTE!” Por que você tem que dizê-lo? Porque na esfera espiritual, palavras produzem. Cristo disse, “O que disser, assim será com ele” . Na esfera espiritual não há palavras vazias; o que você diz é o que acontece. Assim, você precisa ser cuidadoso com suas palavras. Quando você anda como um “homem natural”, na esfera terrena, você pode falar palavras que possuem pouco efeito, mas se você anda na esfera espiritual, precisará vigiar para não contradizer a sua fé com as suas palavras.

Se você diz: “Deus me manda SER forte, portanto Eu sou forte pela Sua força”. A força, então, vem. O maligno conhece as leis da esfera espiritual e sussurra: “Oh, hoje você está realmente se sentindo mal”, e você diz “Sê forte”, e por isso você pode declarar: “pela fé em Deus eu sou forte!” Satanás sussurra que “você vai sucumbir”, e você diz: “eu creio que vou sucumbir”, e descobre que realmente está afundando. Esta é a lei na esfera espiritual; no entanto, poucos de nós compreendem o poder das palavras nesta esfera. “DIGA o fraco: Eu sou forte!”

SÊ FORTE! Em você mesmo? Não! “NO SENHOR”! Esta é uma posição. Não é fora do Senhor, mas é “no Senhor”. Permaneça “no Senhor”. Tome cuidado para que você nunca permaneça em outro lugar. Mantenha sua fé colocada no seguinte fato: “Eu estou em Cristo e Cristo está em mim”. Eu não estou me deparando com as situações sozinhos – pessoalmente eu sou fraco, mas Cristo é forte. Eu não tenho poder, mas Cristo é poderoso. Eu sou forte em Cristo; tenho a Sua força, o Seu poder. “Eu permaneço no Senhor”! Por não se lembrarem da sua posição em Cristo, e “com Cristo, em Deus”, muitos filhos de Deus são tão “fracos”. Quando são colocados na linha de frente da batalha, eles fogem. Raramente podemos contar-lhes assuntos que tenham que ser vencidos pela oração, porque eles ficam muito assustados. É estarrecedor que Deus tenha uma Igreja tão fraca, fraca no conflito com o pecado e Satanás, fraca em sua atitude para com o mundo, tudo porque ela não tem aprendido a mensagem interior da Cruz.

“SEU PODER”. Vamos nos encontrar com o leão do inferno com esse verso. Deus diz, “Sê forte”, e “permaneça na força do Seu poder”. Isto acabará com todo o medo. Isto é “PODER”. Exatamente a mesma palavra que Paulo usou em Efésios 1, que Cristo foi “ressuscitado dentre os mortos” pelo “poder” de Deus – pela “força do SEU PODER”. Vamos, portanto, prosseguir com Deus em contínua e inabalável vitória, até que o Senhor venha, e sejamos reunidos juntamente com Ele.

Autora: Jessie Penn-Lewis
Extraído da revista, À Maturidade, número 28 – Outono de 1996